Monique Q. Rocha, 15.
" Once upon a time in a disabled toilet far, far away, you asked me why I liked you, remember? It’s because you’re strong. You just haven’t realized it yet. "
" Eu torço pra não fazer Sol, eu torço pra não chover, eu torço para acordar no meio do dia, eu torço para o dia acabar logo. Eu torço para ter alguma coisa que me faça torcer, que me diga que eu ainda sei torcer por algo mesmo sem torcer pela gente. Minha dança é queda equilibrada, minhas roupas novas são fantasias, meu sorriso é espasmo de dor, minha caminhada reta é um círculo que sempre me traz até aqui, meu sono é cansaço de realidade, minha maquiagem é exagerada, meu silêncio é o grito mais alto que alguém já deu, minhas noites são clarões horríveis que me arregaçam o peito e nada pode me embalar e aquecer, o frio é interno, o incômodo é interno, nenhum lugar do mundo me conforta. Minha fome é sobrevivência, minha vontade é mecânica, minha beleza é esforço, meu brilho é choro, meus dias são pontes para os dias de verdade que virão quando essa dor acabar, meus segundos são sentidos em milésimos de segundos, o tempo simplesmente não passa. "
" É muito fácil pedir, pedir, pedir. Difícil é se doar. Porque normalmente as pessoas têm a triste mania de jogar na cara. Fiz tal coisa por você. E eu por você. Daí vira aquela agressão gratuita, aquela lavagem de roupa suja, aquela coisa feia e antipática que não combina com sentimento. Mas então eu me pergunto: será que tudo combina com sentimento? Claro que não. A gente não consegue ser bom o tempo inteiro. A gente não consegue deixar de lado as mágoas e seguir em frente. Tem coisa que alfineta, cutuca, aperta. E é preciso gritar, tirar, sair desse círculo vicioso e ruim. Não é fácil. Mas também não é tão complicado assim. Basta querer. Basta sair daquele pedestal. Basta realmente se importar com o que faz. A gente pensa que é muito bacana e que faz o melhor que pode. Que bobagem. Nem sempre lutamos com força e com fé. Às vezes, a gente só deixa a vida nos levar, como se fosse um rio que leva pedaços de árvores e lixo. "
" Ingênuo era eu, que recebia marteladas e procurava melodia nas batidas. "

Me esparramei no sofá. Naquele instante o mundo parecia ter se desligado. A TV estava quebrada por uma quantidade de dias propositalmente ignorada por mim. Não se ouvia buzinas de carros lá fora e, impressionantemente, a vizinha não estava ouvindo forró naquela tarde. A única coisa viva ali da qual eu tinha conhecimento era o meu coração batendo ritmicamente, num equilíbrio irônico. O silêncio era calmo e vazio, como se antecedesse o barulho da explosão de uma bomba. E comecei a imaginar os batimentos no meu peito como um cronômetro. Eu não acompanhava a contagem, mas sabia que alguma hora o chão abriria sob os meus pés.

- sete-viidas


Bon vivant

Cortar o cabelo,
Tocar violino,
Pintar a boca.
Porque mon cher,
Eu tô ficando velha,
Eu tô ficando louca.

A. Alves

(Source: agri-flor, via agri-flor)


" Minha oração é serena, minhas preces eu carrego no canto dos olhos, no bater dos cílios, e mesmo com este caminho tão torto eu ainda acredito, eu levanto meus olhos e agradeço em silêncio, pois eu não preciso de palavras, não preciso de gritos e louvores, e tenho certeza de que Ele me escuta, que Ele me atende, mesmo nesse mudo em que me encontro. "